Vida a Dois



Vocação para Mulher-Maravilha!
Ouço diariamente mulheres que se queixam de dificuldades no lar, das inúmeras tarefas que elas devem desempenhar e das pressões que sofrem. Mas de todas as reclamações a que mais me incomoda e me deixa indignada, é o fato de muitos maridos arrogantes e mandões, que só exigem de suas esposas e nunca estão disponíveis para compreendê-las.
Infelizmente existem maridos que exigem de suas esposas mais do que elas podem dar(graças a Deus, não é meu caso). Na verdade, para estes, suas mulheres deveriam ser um tipo de Mulher Maravilha, onde de forma perfeita são obrigadas a desenvolver as mais diferentes performances.  Nesta perspectiva suas esposas são constrangidas a desenvolver com a perfeição uma tríplice missão, cujas principais responsabilidades são trabalhar fora, cuidar da casa, além de satisfazer as taras sexuais de seus cônjuges.
Ora, vamos combinar uma coisa?  Cobrar das mulheres perfeição e agilidade no que fazem é no mínimo desumano.  Ora, se não bastasse ter que trabalhar fora, a maioria delas cuidam da casa sozinhas, isto porque, seus esposos consideram que este tipo de tarefa não cai bem aos homens.  Para piorar a situação, os machões da modernidade ainda exigem que suas esposas estejam “inteiras” à noite, prontas como um vulcão para o ato sexual.
Caro leitor, creio veementemente que os maridos deveriam rever seus conceitos tratando suas esposas com mais dignidade, além obviamente de não exigir que suas mulheres sejam como a Mulher Maravilha, até porque, do ponto vista humano ninguém consegue cumprir com perfeição tarefas hercúleas como estas.  Como já escrevi anteriormente, do ponto de vista cristão, os homens não são melhores do que as mulheres.  Na verdade, macho é fêmea são iguais perante o Criador.  Cabe portanto , aos maridos tratarem suas esposas com respeito e excelência, entendendo que no Senhor, os maridos devem cuidar, e muito bem, de suas esposas.
Você homem,p
ense nisso!








SE O AMANHÃ NÃO VIER...

"Se eu soubesse que essa seria a última vez que eu veria você dormir,  
Eu aconchegaria você mais apertado e rogaria ao Senhor que protegesse você.
Se eu soubesse que essa seria a última vez que eu veria você sair pela porta,
Eu abraçaria, beijaria você e o chamaria de volta  
Para abraçá-lo e beijá-lo uma vez mais.  
Se eu soubesse que essa seria a última vez que eu ouviria a sua voz em oração,
Eu filmaria cada gesto, cada palavra sua,
Para que eu pudesse vê-la e ouvi-la de novo, dia após dia.  
Se eu soubesse que essa seria a última vez,
Eu gastaria um minuto extra ou dois, para parar e dizer: 
EU TE AMO, ao invés de assumir que você já sabe disso.
Se eu soubesse que essa seria a última vez,  
Eu estaria ao seu lado, compartilhando do seu dia, ao invés de pensar:  
'Bem, tenho certeza de que outras oportunidades virão. Então eu posso deixar passar esse dia.'  É claro que haverá um amanhã para se fazer uma revisão.  
E nós teríamos uma segunda chance para fazer as coisas de maneira correta.  
É claro que haverá outro dia para dizermos um para o outro:
'EU TE AMO', e certamente haverá uma nova chance de dizermos um  para o outro: 'Posso te ajudar em alguma coisa?'  Mas, no caso de eu estar errado, e hoje ser o último dia que temos juntos, eu gostaria de dizer-lhe  O QUANTO EU  AMO VOCÊ!"

 Espero que nunca nos esqueçamos disso!

O dia de amanhã não está prometido a ninguém, seja ele jovem ou velho. E hoje pode ser sua última chance de segurar bem apertado a mão da pessoa que você ama.  Se você está esperando pelo amanhã, por que não fazer hoje? Porque se o amanhã não vier, você, com certeza, se arrependerá pelo resto de sua vida de não ter aproveitado aquele tempo especial com um sorriso, um abraço ou um beijo. Tudo porque você estava 'muito ocupado' para dar àquela pessoa o que acabou sendo o último desejo que ela queria. Então, abrace o seu amado, a sua amada, o seu filho, a sua filha HOJE. E dê esse abraço bem apertado.  Sussurre no seu ouvido, dizendo o quanto você o(a) ama e o quanto o(a) quer junto de você. Gaste um tempo para dizer: 'Desculpe-me'; 'Por favor'; 'Me perdoe'; 'Obrigado'; ou ainda, 'Não foi nada'; 'Está tudo bem'.  Isso porque, se o amanhã jamais chegar, você não terá que se arrepender pelo dia de hoje. Pois o passado não volta e o futuro talvez não chegue.  Papai, mamãe, marido e esposa: parem agora por alguns minutos e reflitam sobre essa mensagem. E pratiquem-na!
Lembrem-se, amor em família é uma arte, um malabarismo, por vezes um heroísmo: mas é essencial como o ar que respiramos.
Não perca a oportunidade de viver bem HOJE! Depende de você e das escolhas que você fizer...Medite!






Palavras que o casal deve praticar.

Deus quer que você vivam bem no casamento e namoro; quer também que você viva bem com ele. Faça a vontade de Deus em todas as áreas da sua vida!



Há quatro palavras, ou frases, que precisamos falar todos os dias para os nossos cônjuges ou companheiros.
Se não falamos em voz alta, precisamos pelo menos falar em nosso coração.Estas palavras curam muitos dos males que prejudicam o casamento e o namoro.
Ao falar estas palavras, a correspondente atitude tem que acompanhar. Se forem apenas palavras, nada adiantariam. 

E. Diga você estas palavras:

"Eu te perdôo".
Mt 6.12; 18. 21-22; 2Co 2.10; Ef 4.32
Estas palavras (e atitude) curam o ressentimento e amargura. Pergunta para se fazer a si mesmo todos os dias: "Em que eu tenho ofendido ou defraudado? Pelo que eu sinto mal para com meu companheiro?"

"Eu te elogio".
Pr 31.28-31; 1Pe 3.7
Estas palavras curam a crítica e a acusação. Pergunta para se fazer a si mesmo todos os dias: "O que meu amor fez de bem hoje?"

"Eu te sirvo". 
Gl 5.13
Estas palavras curam o egoísmo e a omissão. Pergunta para se fazer a si mesmo todos os dias: "Como eu posso ajudar meu grande amor hoje?"

"Eu te amo"
Gl 5.14; 2Co 4.5
Estas palavras curam a negligência. Pergunta para se fazer a si mesmo todos os dias: "Como eu posso mostrar hoje o meu amor pelo meu cônjuge ou namorado(a)?"

Conclusão
Se você falar todos os dias estas palavras para seu cônjuge, você terá um relacionamento conjugal que será uma benção. Deus quer que você vivam bem no casamento e namoro; quer também que você viva bem com ele. Faça a vontade de Deus em todas as áreas da sua vida.

Pense nisto!Haja! Não espere para amanhã o que Deus te deu a oportunidade para ser feito hoje!








Casamento: Céu ou Inferno?






Infelizmente, muitos casais entram nesse relacionamento, considerado um dos mais íntimos que existe, com pouca, ou mesmo nenhuma idéia de como ele foi idealizado a fim de que funcionasse. "Eu me casei somente para me ver livre de minha família, ter uma casa que fosse realmente minha e ser independente". Admitiu uma jovem chamada Jane.


"Meus pais tentaram tirar tal idéia da minha cabeça, mas, sabe como é... a gente sempre acha que sabe mais do que os outros". Jane pensou que agindo daquela forma, estaria rompendo com seus pais. Na realidade, seu casamento aconteceu de forma de provar que estava certa. Mas, ela falhou em desenvolver laços profundos com o marido. "Após seis meses de casada, eu já havia descoberto que tudo havia sido um erro. Mesmo antes que meu bebê nascesse", disse ela. Pouco tempo depois, seu casamento dissolveu-se.




Os nomes mudam, as circunstâncias variam, mas a tragédia é a mesma. Tendo em vista o número total dos novos casamentos que estarão sendo realizados nos Estados Unidos, sabe-se que por volta de metade deles, eventualmente, terminarão em divórcio. Por que? Um líder Cristão afirmou: Todos os aconselhamentos que faço na área familiar e conjugal, têm suas causas em um dos três problemas abaixo:


Falha no deixar os pais.


Falha no entrosar-se com o cônjuge.


Falha no desenvolver um relacionamento de unidade entre o casal.




Deixar. Entrosar. Desenvolver Unidade. O profeta Moisés, o Senhor Jesus Cristo e o apóstolo Paulo, todos eles utilizaram esses conceitos para descrever o plano de Deus para um casamento bem-sucedido. O casamento implica em deixarmos nossos pais e nos unirmos ao nosso cônjuge, formando assim uma unidade exclusiva entre um homem e sua esposa.




Primeiramente, a Bíblia ensina-nos que o casamento é uma íntima comunhão. "Por isso deixa o homem pai e mãe, e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne" (Gn 2.24).




Casamento implica em deixar pais e unir-se a seu cônjuge, resultando em uma união totalmente nova e íntima, a qual deve perdurar durante toda a vida.




A unidade no casamento deve existir em vários níveis. Inicia-se no plano espiritual: um casal é unido pelo amor que nutre por Cristo e um pelo outro. O que também propicia uma união em termos intelectuais, volitivos, emocionais, sociais e físicos.




Em segundo lugar, a Bíblia ensina que o casamento cristão é uma união exclusiva, pura, imaculada. Marido e esposa são, não mais dois, mas um. Ninguém mais poderá desfrutar de tal relacionamento da maneira como eles o partilham. A Bíblia afirma: "Portanto, o que Deus ajuntou, não o separe o homem" (Mc 10.9).




O casamento, aos olhos de Deus, representa um passo muito importante. É a união de toda uma vida - corpo, alma e espírito - à outra pessoa. Tal comprometimento exclui todo e qualquer envolvimento de "terceiros". A Bíblia deixa bem claro ao afirmar: "Não adulterarás" (Ex. 20.14)


O casamento, do ponto de vida de Deus, é absolutamente exclusivo, uma vez casado, sua afeição pertence a seu cônjuge. Não há lugar para imoralidade sexual, jogos ou flertes com outros. Por quê? Porque tais atitudes destroem a tudo quanto o casamento se propõe e significa. Em terceiro lugar, a Bíblia também ensina que o casamento é uma união simbólica, uma linda metáfora de Cristo e a igreja. Da mesma forma que o marido e sua mulher são uma só carne, assim também Jesus Cristo é um espírito com sua igreja. A mulher deve relacionar-se com seu marido, como a igreja com Cristo. Devo amar minha esposa da mesma forma que Cristo amou sua igreja. Tal simbolismo eleva o casamento à sua mais alta dimensão.


O casamento cristão é realmente um triângulo: o homem, a mulher e Cristo. Meu esposo, Honorato Neto, entregou sua vida a Jesus quando tinha 19 anos de idade. Eu tinha 8 anos quando fiz a mesma decisão. Unimos nossas vidas na presença do Senhor. Ele é a terceira pessoa de nosso casamento e quem nos mantém juntos, levando-nos cada vez mais próximos um do outro à medida que nos aproximamos mais dele.
Por tanto é fundamental que haja essa unidade entre o casal e Deus....Sendo feliz no Senhor antes de encontrar a pessoa amada, pois quando Deus entregar sua "metade" já estará pronta(o) para fazê-lo feliz também... ELE concederá o que deseja o seu coração!




Casamento: uma questão de escolha  






É fato que nossa vida é uma sucessão de escolhas. Ouvimos muitas vezes a expressão “tudo na vida é uma questão de escolha”. E isso é verdade. Escolhemos fazer ou não, amar ou não, perdoar ou não, fazer o bem ou o mal, estudar ou não, trabalhar ou não, aproveitar as oportunidades ou não e tantos outros “isso ou aquilo”.


Como isso se aplica a tudo em nossa vida, no casamento não é diferente. A vida a dois é construída com escolhas de dar a Deus a primazia, respeitar, amar, perdoar, adaptar, abdicar, aprender, construir juntos e muitas outras que fazemos ao longo da nossa caminhada como marido e mulher, como “uma só carne” planejada por Deus. Em todas as nossas atitudes há escolhas. Não há como fugir disso. De acordo com o que optamos por fazer, estaremos construindo ou destruindo nosso lar, nosso cônjuge e nossos filhos.


Como as escolhas que fazemos definem nossa vida, não devemos fazê-las impensadamente, de modo precipitado e inconseqüente. As decisões tomadas no “calor das emoções” ou sem qualquer ponderação certamente darão em caminhos de morte (Provérbios 14.12). Por isso, o melhor a fazer é decidir à luz de Deus, porque somente ele tem a resposta certa para todas as nossas questões (Provérbios 16.1).


O casamento é um presente de Deus ao homem, e, aqui, falo da raça humana. E, tendo sido instituído por Deus, ele mesmo deixou as instruções para que o matrimônio seja uma relação perfeita de amor, respeito e cumplicidade.


Se os membros de uma família praticarem três claras orientações que Paulo escreve na carta aos efésios, com certeza, esse lar vai glorificar a Deus. Elas são claras, objetivas, simples, mas profundas:


• As mulheres sejam submissas ao seu próprio marido, como ao Senhor (Efésios 5.22).


• Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela (Efésios 5.25).


• Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo (Efésios 6.1).


A Palavra de Deus exorta a nós, mulheres, a sermos sábias, porque “a mulher sábia edifica a sua casa, mas a tola (ou insensata) a destrói com as próprias mãos” (Provérbios 14.1). A sabedoria não é simplesmente a capacidade de ponderar as situações e agir convenientemente, mas muito mais, agir conforme os padrões de Deus. É lendo a Palavra e tendo intimidade com Deus que saberemos conduzir nosso lar de modo que nossa família seja feliz e próspera. É com a sabedoria que vem de Deus que seremos capazes de ser a ajudadora idônea que Deus nos destinou a ser.


É sendo sábias que faremos escolhas certas. E aos maridos, amar a esposa como Cristo amou a Igreja e a si mesmo se entregou por ela. Como Cristo amou a Igreja? Com respeito, carinho, perdão, dando a direção, levando-a a Deus, suprindo suas necessidades... Que grande responsabilidade! O marido precisa da intimidade com o Senhor para que a intimidade do seu casamento seja feliz, para que seu lar seja próspero e duradouro.


Quero colocar aqui, alguns exemplos de escolhas rotineiras e simples da convivência a dois, mas que fazem grande diferença no casamento. São essas escolhas que dia a dia vão decidindo os rumos do casamento. São detalhes, muitas vezes considerados insignificantes, que adubarão ou envenenarão as raízes do casamento, da relação marido e mulher.


Durante um desentendimento, o casal poderá escolher deixar ou não o sol se pôr sobre sua ira (Efésios 4.26). O domínio próprio e a mansidão vão prevalecer ou gritos e insultos serão a tônica da discussão. Vão dormir brigados e até em quartos separados ou vão conversar e encontrar a harmonia.


Vocês poderão dizer bobagens do tipo “não está satisfeito(a) procura outro(a)”, ou perceberem os laços do diabo e, caindo em si, declarar ele(ela) é o amor de sua vida e acertas as coisas com perdão e muito carinho.


Vocês poderão “brigar” para ver quem é que realmente manda em casa ou obedecer ao princípio de amor, submissão e obediência para a família que o apóstolo Paulo registrou em sua carta aos efésios.


A esposa pode entre afobação e moderação. Ela mal espera o marido colocar os pés em casa e já começa a “rezar a ladainha” de contas a pagar, de itens que faltam em casa e tantas outras coisas que ele realmente não gostaria de falar antes de um bom banho. Ou então respeita esse momento e ambos saem ganhando. Hoje, com ambos os cônjuges trabalhando fora, ambos precisam desse entendimento, pois muitas vezes eles chegam juntos do trabalho, ou o marido chega primeiro.


Os cônjuges podem escolher a constante acusação recíproca ou se ajudarem mutuamente com palavras de incentivo, de amor, de repreensão, de exortação e de crítica construtiva.


Marido e mulher podem escolher o desrespeito e a indiferença que adoecerão a ambos e ao lar ou, o respeito mútuo, que envolve saber onde um e outro se encontram, os horários de cada um para que não se preocupem desnecessariamente, respeitar os amigos um do outro, a abdicação individual de algumas coisas em benefício do casal, o cuidado de saber se alegrar e sofrer com as vitórias e os fracassos um do outro, cumprir os compromissos de fidelidade assumidos no altar, respeitar a individualidade do cônjuge, amar as famílias de origem sem deixar que elas interfiram na vida íntima do casal e tantas outras situações que envolvem o cotidiano de uma vida a dois.


O casal pode escolher entre viver um caos diário com mau humor e agressões ou, proporcionar um ambiente alegre, de paz e palavras boas. Eles poderão optar pelo amor ciumento e destruidor ou, pelo amor companheiro, confiante e frutificador, em que há confiança, respeito e admiração.


Ambos poderão escolher entre a maldição da murmuração e da implicância e a bênção de profetizar as promessas de Deus para o lar. Entre sempre supervalorizar a grama do vizinho ou valorizar o que Deus lhes tem dado e prosseguirem, juntos, em busca de mais vitórias.


Vocês poderão escolher entre inventar desculpas para se negarem um ou outro, ou, darem-se mutuamente com carinho e em total entrega; fazer dos momentos íntimos a mais difícil tarefa do dia ou transformá-los em alegres celebrações.


Vocês podem escolher considerar os de fora sempre melhores e deixar que outros valorizem o seu cônjuge, deixando a porta aberta para o inimigo da carência, ou valorizarem-se reciprocamente com palavras ternas e elogios.


Vocês poderão escolher entre uma eterna briga de “quero assistir ao jogo do meu time” e “vou primeiro ver meu filme” sem qualquer resultado positivo ou cada um ceder um pouco e assistir ao jogo com ele, ou ao filme romântico com ela, juntinhos e aconchegantes, e desfrutar de momentos agradáveis que solidificarão o casamento.


O casal pode escolher entre intermináveis brigas de “você é gastadeira” e “você é um sovina”, que afetarão a ambos e desestruturarão o relacionamento ou planejarão juntos a economia do lar, economizando ponderadamente para usufruírem as bênçãos advindas da unidade e da sabedoria.


Enfim, essas são apenas algumas das inúmeras escolhas que o casal fará ao longo do casamento, de uma vida inteira juntos. E em todas elas, há conseqüências.


Escolhas certas ajudam a manter a chama do amor acessa. Sabemos que conviver entre quatro paredes é uma arte, é um aprendizado diário. Por isso, as escolhas que fazemos são tão importantes. Muitos se casam e se esquecem de que o casamento é feito de detalhes. Outros tantos, sem perceberem, estão se desgastando e desgastando o casamento porque não se deram conta das escolhas erradas que estão fazendo. O tempo foi passando, e está passando rapidamente, e as oportunidades de ser feliz se esvaindo pelo ralo. Escolham, hoje mesmo, pensar melhor a respeito de cada situação que os envolve. Consultem sempre aquele que lhes dá a oportunidade de acertar, mesmo depois do erro, e serem felizes – Deus.


Dizem que não existe um casamento perfeito, mas eu digo que sim; este casamento perfeito é aquele em que tem Jesus como o centro de tudo. Escolham a bênção ao invés da maldição, a vida ao invés da morte. Maridos e esposas, escolham Jesus e a felicidade será o cotidiano da vida de vocês, individualmente, como casal, como pais, como família como um lar que glorifica a Deus.


Então, boas escolhas, feliz casamento!








Como namorar sem pecar?






Definição de Namoro - Fase de conhecimento social e amoroso entre um homem e uma mulher que pretendem se casar. Segundo o Dr. Aurélio significa dentre outros, cativar, amar, cativar, atrair, cortejar, etc. Para alguns teólogos é a fase do conhecimento. Namoricos: Atualmente, de acordo com a Região, existem muitas palavras de indicam um namorico. Flerte, paquera, esbarro, esbarrão, tapa, xaveco, ficar, etc. Entendendo que estes tipos de ajuntamento não se enquadram nos padrões ético-cristãos.






Namoros não recomendáveis


Namoro à moda mundana como fazem alguns famosos. Muitos são arranjados ou simplesmente por interesses; outros não menos perigosos como: Interesse dos pais, Cobertura financeira.






Namoro do cristão


Os namorados se relacionam compromissados visando a um futuro noivado e matrimônio dentro do modelo social familiar, priorizando um profundo amor, e nunca a paixão.






Epístola de Paulo aos namorados


Seria mais cômodo se o Apóstolo Paulo tivesse escrito uma Epístola aos namorados e constasse: "O rapaz, ao atingir a maioridade e quiser namorar, deverá amar preferencialmente uma moça, membro de sua denominação cristã; em seguida comunicar o seu interesse aos seus pais, que, se de acordo, comunicará ao pastor presidente".
Seria bom? Claro que não, o melhor é o que já está posto. O jovem tem o direito de escolha. Deus por Sua Sabedoria (o paradoxo) - Por Soberania faz o que quer e pelo Arbítrio o jovem escolhe.
Ou seja, Deus não nos proíbe de fazer escolhas, mas a vontade dEle é o que permanecerá. Não podemos ultrapassar os limites da vontade de Deus, caso contrário, Sua vontade não seria soberana!




Padrão


Alguns líderes espirituais que proíbem aos namorados andar de mãos dadas, abraçar, encontrar-se a sós, beijo na boca. Alguns limitam a idade, outros conferem a situação no rol de membros, etc. Creio que os verdadeiros guardiões devem ser os próprios pais ou seus prepostos. Eles têm maior conhecimento e podem atuar dentro das verdadeiras necessidades e nos assuntos íntimos.


Não existe um código de conduta para namorados, mas alguns princípios, se forem observados, certamente irão contribuir em muito.




Antes


  • Orar a Deus para que o coração não se enamore pela pessoa errada;


  •  Procurar alguém que confesse a mesma fé;


  • Ter cuidado com as profecias dos "Vasos"; Mais importante do que tudo é ouvir DEUS! ELE fala!


  • Não desprezar conselhos dos pais.
Durante


  • Ter uma vida de oração, leitura da Palavra de Deus e jejum;


  • Participar de todos os eventos possíveis programados para a juventude da igreja;


  • Observar horário e dias do namoro;


  • Evitar ficar a sós ou em local suspeito;


  • Não conversar sobre quaisquer assuntos que despertem a libido;


  • Não se expor com assuntos que possam deixar desconfortável caso o namore termine;


  • Solicitar ajuda aos pais ou preposto, ou o pastor responsável para assuntos de difícil decisão;


  • Ser fiel e amar sinceramente, ?tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai?. Fp 4.8


  • Só proceder de forma exemplar para o mundo, "Vós sois o sal da terra... a luz do mundo", Mt 5.13,14.


  • Só tratar de assuntos relativos ao noivado quanto estiver certo da decisão de casar.


Depois


Caso venha terminar o namoro


  • Não comentar com terceiros sobre o namoro;


  • Não divulgar defeitos ou virtudes;


  • Continuar amigos e manter o respeito como da forma anterior.


Terminando um namoro


O período de namoro é visto pela sociedade como um compromisso menos relevante do que o noivado; o que pode ser conferido ao observar a pouca repercussão resultante do seu fim. Portanto, o casal não deve continuar, se perceber que não tem motivação que o leve até o fim.




Castidade


Os namorados e os noivos devem permanecer castos até a celebração do seu matrimônio. Os que perderam a sua virgindade antes de aceitar a Cristo como Salvador, ou por outros motivos, não estão isentos deste dever; devem se guardar até à celebração do seu matrimônio. Por outro lado quando o casal se controla nas carícias sensuais acaba valorizando em muito a sua lua-de-mel. Convém fazer uma analogia das jóias preciosas que as guardamos melhor quando valem mais.


Hoje, já sou uma mulher casada, muito bem casada por sinal, e sou feliz na escolha que fiz, porque ouvi as orientações de Deus. Por isso jovem, entregue completamente nas mãos do Senhor esta área de sua vida (e todas as outras também) que ELE o guiará em suas decisões!
Um grande abraço a todos!!!

Nenhum comentário: