quarta-feira, 7 de abril de 2010

Mulheres Amarguradas


"Então chegaram a Mara; mas não puderam beber as águas de Mara, porque eram amargas; por isso, chamou-se o seu nome Mara" (Exôdo 15.23). "Porém ela lhes dizia: Não me hameis Noemi: chamai-me Mara, porque grande amargura me tem dado o Todo-Poderoso" (Rute 1.20).

Ouvi uma pregação uma vez, quando o ministrante alertava para o fato de ser impossível deixar de passar pelo deserto da provação da vida, mas que era importante não deixar o deserto entrar no coração. Viver é um risco! Aprender a lidar com a vida e suas múltiplas histórias é necessário para que não nos amarguremos com ela.

Mulheres amarguradas de alma andam por aí, dominicalmente vão à igreja para "assistir" ao culto e durante a semana são eficientes em suas atividades eclesiásticas. Não raro alcançam seu cobiçado reconhecimento através de um cargo de destaque na igreja, tornando-se uma "oficial": diaconisa, presidente de organização, dirigente de círculo de oração e entre outros.

Como a alma é amargurada são permanente dor de cabeça para quem tem contato com elas. A língua é peçonha mortal com a fofoca, a delação e a desmedida franqueza que machucam sempre e não cura nunca.

Não raro perseguem jovens e adolescentes com seu moralismo, invejosas de sua alegria pueril. Odeiam e perseguem as mulheres que ousam ser diferentes delas; que são felizes. São tenazes perseguidoras de maridos e filhos; exigentes, loucas por limpeza, rígidas, endurecidas, odiosas e nunca, nunca, nunca misericordiosas, complacentes e perdoadoras. Não raro a amargura se transforma em doença.

Observo uma vizinha que faz demonstrações públicas de afeto exacerbado ao "marido", usa saiões para atestar "santidade", tem uma rotina de reuniões de oração e clichês já conhecidos de fervor espiritual. Freqüentemente ouço sua voz estridente e o olhar doentio, os xingamentos com as filhas, os maus-tratos a uma idosa dependente. Abandonada pelo marido, rejeitada pelos vizinhos, dores somáticas no corpo denunciam o julgamento da consciência pelo repúdio a própria mãe.

A forma de mulher de oração. O conteúdo de mulher de Mara.

O espetáculo patético da forma sobrepondo o conteúdo. Mas não é solitária neste espetáculo cotidiano escondido nas igrejas. Noemi reencontrou a alegria na providência divina, providência que não teve gosto do sangue dos "seus inimigos", mas o doce cuidado divino pelo simples fato de ser sua filha e serva. É fato que a vida tem seus dias bons e dias maus, mas em tudo somos fortalecidas.

O povo pôde beber da água amarga quando o madeiro a feriu e submergiu nela. Pela cruz e não pela religião temos a alma curada. Religião não cura. Religião apenas traz forma. Relacionamento com Deus é conteúdo. Conteúdo alcançado sob um olhar que reconhece Deus em seus caminhos.

Não tenho fórmula para vencer a amargura. Esse texto não é uma autoajuda. Mas propõe-se a ser uma reflexão sobre o cotidiano.

Que Deus nos ajude a viver intensamente a vida e suas contradições e confiar que Ele cuidará de nós, que nos consolará, fortalecerá e nos dará forças para vencermos e nos tornarmos sábias.

Isso é fé. A fé vence o mundo.

7 comentários:

eleneide disse...

Amei,de verdade minha irmã.Que a cada dia o Senhor venha a ti abençoar com+ e+ sabedoria vinda Dele.
Um grande abraço!!!
Irmã:Eleneide.

Dayanna Fonseca ;D disse...

Olá Bárbara, graça e paz!

Irmã que benção suas palavras... :)
Como é doloroso quando optamos por sermos 'Mara', é tão fácil esconder debaixo da capa da santidade toda dor que sentimos ao não liberar perdão, ao buscar e questionar o Senhor 'justiça', quando na verdade Ele deseja que rogemos misericórdia :)

Algo que Jesus nos ensinou e que tenho aprendido na pele é liberar perdão, e quando isso acontece é tremendo, aliviador é contagiante! :) Perdoar transforma, renova...

"Noemi reencontrou a alegria na providência divina, providência que não teve gosto do sangue dos "seus inimigos", mas o doce cuidado divino pelo simples fato de ser sua filha e serva."

O amor de Deus por nós anula toda amargura, seu cuidado nos ensina a amar, sua graça nos remete a misericórdia e sua vida nos ensina a essência da palavra perdão! :)

Deus continue usando suas palavras para nos tocar, para nos despertar! :)

Fica na paz!

Maninha disse...

É verdade querida, viver em baixo de uma capa de amargura é fácil, se fazer de coitado e ter a piedade de outros que na verdade recriminam esta posição, parece ser maisn cômodo, mas não é. Só quem pode realmente curar uma alma amargurada é a misericórdia e socorro do Pai, mas desde que esta alma se proponha e busque a mudança e a graça de Deus. Por isto há tantas pessoas em depressão. Realmente viver, ser aprovado nas tribulações e provações não é algo fácil, trás dores espirituais e físicas muitas vezes, mas precisamos persistir para alcançar nosso alvo, um encontro pessoal com o Pai. bjcas e a paz de Cristo amada!

projeto dsf(discipulado sem fronteiras) disse...

Graça e Paz,

Estamos falando sobre o propósito de Deus na vida das mulheres para nossa apostila no site www.discipuladosemfronteiras.com.
Gostaríamos que as irmãs elaborassem tópicos que gostariam que fossem abordados para que possamos colocar na aula sem dizermos referências pessoais ou ministeriais.

Aguardo tópicos até o dia 14 de março de 2010.

Poderia nos ajudar a divulgar este projeto?

Deus nos abençõe

Pr.Prof.Darlan Lima
www.discipuladosemfronteiras.com

Laila disse...

Que linda a mensagem!!! Amei muito!!! Que Deus te abençõe e que vc continue escrevendo mais!!!

MCA Igreja Batista em Santa Maria da Vitória disse...

Amei as programações!!! Excelentes ideias!!! Que Deus abençoe imensamente sua vida e seu ministério como esposa de Pastor!!

Bárbara Emanuelly disse...

Amém amada. Muito obrigada pelo carinho. Voltarei a postar em breve!!!